Cultura de Massa X Cultura Popular

18 mai

Quando o capitalismo ainda não era o modelo econômico vigente no mundo, a cultura popular era vista como um conjunto de manifestações humanas que exemplificam as crenças, os mitos, os símbolos, as imagens, o folclore, os hábitos e os valores.  A partir da Revolução Industrial e, consequentemente, a implantação do capitalismo, a cultura popular se bifurcou, criando, assim, um novo seguimento, a cultura de massa.

A cultura de massa é uma mercadoria, que visa sempre gerar o lucro. Os produtos são muito parecidos, perdendo assim a sua individualidade. As pessoas, que antes eram importantes para a produção cultural, limitam-se a apenas exercer o papel de consumidoras, tornando-se secundárias nesse sistema. Além disso, elas também perdem a autonomia. Os indivíduos passam a querer um determinado produto não pela necessidade, mas por todos terem.

Ao contrário do que acontecia com a popular, a cultura de massa não se limita a um território. Ela é globalizada, já que consegue unir elementos de diversas sociedades. Elas também se diferenciam pelo fato de que a cultura popular é produzida pelo e para a massa, enquanto a de massa apenas para a massa e pelo capitalismo.

O carnaval de Salvador é um exemplo de cultura que se criou como um movimento popular e, com o passar dos anos, passou a ser, também, um produto, unindo assim as duas culturas. O que se iniciou com um grupo de pessoas que iam as ruas para se divertir transformou-se em uma grande indústria onde astros da música baiana cantam em cima de um carro, separados do povo, privilegiando aqueles que pagam altos preços para curtir.

Atualmente, a cultura popular está em decadência. Hoje, as simples manifestações populares não são tão valorizadas como eram antes da Revolução Industrial. O que está em destaque no momento é o que é imposto pelo capitalismo, no caso, aquilo que gera lucro. Ivete Sangalo é cultura de massa porque vende, mas uma banda desconhecida pode ser tão boa quanto, mas por não ter apelo econômico, não é considerado este tipo de cultura.

No fundo, a oposição cultural entre camadas populares e elites é, muitas vezes, forjada ou relativa. Tanto que teóricos, como Baktin e Peter Burke, chamam a atenção para a fragilidade das fronteiras, no cotidiano heterogêneo das pessoas, entre o que é e o que não é cultura popular. No final de contas, a cultura popular acaba se dissolvendo, facilmente, na cultura de massa movida pelo dinheiro. (VANNUCCHI, Aldo. Cultura Brasileira, 1999, p.109)

About these ads

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: